domingo, outubro 23, 2011

Documentário: "Meninas"

   Na semana passada pude assistir na faculdade um documentário muito interessante a respeito da gravidez precoce, e pensei em compartilhar com vocês mais essa discussão.
   O documentário, Meninas, de Sandra Werneck, retrata a realidade de meninas que engravidaram na adolescência, meninas estas com idades entre 13 e 15 anos, moradoras de comunidades carentes que tiveram a infância interrompida por conta de uma gravidez precoce, porém, não se precaveram para evitá-la, em virtude de diversos fatores, tais como, irresponsabilidade, educação precária, inobservância e falta de atenção por partes dos pais, enfim, uma conjugação de elementos que demonstram uma desestrutura familiar abrangente por todo o país e retratada por essas jovens. 
   A diretora Sandra Werneck teve a sensibilidade de ao mesmo tempo em que queria transmitir essa dura realidade, em momento algum fez nenhum juízo de valor, mas sim, uma crítica intrínseca ao poder público, o qual não intervém de forma efetiva, a fim de evitar casos absurdos, contudo, rotineiros, iguais ao de Edilene, 14 anos, e Joice, 15, grávidas quase ao mesmo tempo de Alex, um jovem rapaz que trabalha sabendo que terá de se desdobrar para garantir o provento mínimo suficiente para alimentar seus filhos e auxiliar suas respectivas mães, bem como Evelin, jovem de 13 anos que engravidara de um "ex-traficante", que verá seu namorado morrer igual a seu pai, em virtude do envolvimento com o tráfico de drogas.
Não há a possibilidade de encarar tais fatos como isolados, uma vez que apesar de serem retratados em famílias diversas, estão dentro de um contexto homólogo, onde no Brasil, uma em cada cinco gestantes é adolescente, demonstrando que a omissão do Estado perante essa situação agrava cada vez mais um problema que está longe de terminar, necessitando impreterivelmente de ações estatais que venham a coibir a gravidez não só na adolescência, mas a não planejada de maneira ampla, utilizando-se dos meios de comunicação, campanhas escolares ou quaisquer outras maneiras de alertar e ensinar tantos os pais quanto os filhos do quão difícil e complexo é criar uma criança nos dias de hoje, diante de uma sociedade hipócrita, preconceituosa, mal estruturada, com baixo nível de cultura e educação.
   Existem debates e divergências a respeito da intervenção ou não do governo sobre as políticas de planejamento familiar, o que por sinal nos espanta ainda haver dúvida em relação a essa iminente necessidade perante perspectiva tão baixa de vida dessas pessoas, as quais não conseguem nem ao menos dizer qual o sonho de suas vidas, objetivos, metas, afinal, é algo impalpável, pois sabem não possuir meios notórios de galgá-los. Muitas perguntas surgem ao vermos essas convergências de opiniões, parecendo-nos nítida a ideia de isolar esses indivíduos para que não prejudiquem a imagem do Estado. Será que o poder público quer mesmo pessoas cultas, revestidas de boa educação e que saibam lutar pelos seus direitos, capazes de raciocinar e opinar em oposição ao que é apresentado? Documentários como este, leva-nos ter cada vez mais certeza que não, continuemos com um povo sem cultura, incapaz de escolher seus representantes através da capacidade e competências inerentes a eles. Assim sendo, diante dos fatos narrados, o que sobra é a revolta, indignação e medo de que essa realidade perdure por muito mais tempo. Abaixo, segue o documentário dividido em 5 partes, o qual lhe fará refletir muito sobre essa triste realidade.






















10 comentários:

  1. Obrigada Samir. O livro é bem legal sim você deveria ler :)
    http://thebookofmydreams.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Samir, parabéns pelo blog, essa postagem é muito interessante!
    Aguardo sua visitam em blog!
    www.superconectadas.com

    ResponderExcluir
  3. deu vontade de assitir
    klkkkkkkkk


    http://www.hrdoblush.com/

    ResponderExcluir
  4. Samir, parabéns pela postagem.
    Demorou, mas voltou com tudo, heim.
    Confesso que chorei, assistindo todos os vídeos e já estão baixados em meu Notebook. Chorei porque tenho sentimento de misericórdia, como todo o ser humano deve ter. Porém, com enganoso é o coração do homem (assim diz a Bíblia), não me deixarei levar por esse sentimentalismo e quero dar razão às suas palavras iniciais, que englobam uma série de fatores que levaram o nosso país chegar a essa situação.
    É lamentável ver que tudo isso acontece no meio de um povo iludido com uma vida fantasiosa. Não entendo de onde tiraram tantas fantasias.
    Não quero ficar aqui colocando a culpa em um ou outro por causa disso ou daquilo. Mas tenho que confessar que essa sociedade brasileira está a mercê de corruptos nos quais esse povo tema em acreditar e eleger para governar.
    No mais, Samir, você que já me conhece, sabe minha opinião e entende o por que da minha escolha em NÃO TER FILHO(S), hoje em dia.

    Mais uma vez, PARABÉNS!

    Abraços!!

    ResponderExcluir
  5. Samir, parabéns pelo post! O tema tem mesmo de ser colocado em pauta, temos de debater, sem pudores: olhar por todos os ângulos!

    ResponderExcluir
  6. Cara muito bom, tenho certeza que esse post ajudou a muita gente!

    parabéns!

    ResponderExcluir
  7. É impressionante a falta de informação no Brasil em pleno séc XXI, pessoas sem informações em geral adolescentes tem filhos e inicia a vida tão cedo sem o sentido que deveria ter... Mas... tem o outro lado que são adolescentes que escolhem não usar proteção achando serem "escolhidos" e acabam tendo filhos sem estrutura. O que falta é educação e informação. Essas garotas passar por muitas dificuldades depois disso, perdem boa parte de sua infância/adolescência.

    Belo post.

    PS: Aproveitei e deixei minha opinião ;)

    Té mais.

    ResponderExcluir
  8. A gravidez na adolescência é um problema encontrado na sociedade moderna. As índias, que tinham seus filhos nos leitos de rios, julgavam que a menstruação era o sinal da natureza avisando que o corpo já estava preparado para conceder uma vida. Hoje, para o governo, trata-se de um problema econômico. Mais filhos, mais necessidades a serem supridas pelo Estado, que por vezes parece não se importar. Apesar de estarmos no século XXI, para muitos a mentalidade continua estagnada há 500 anos, quando os Portugueses chegaram ao país. E vale sempre lembrar que não existe pecado do lado de baixo do Equador.

    ResponderExcluir
  9. Olá Samir, tudo bem?
    Cheguei até aqui pelo comentário que você fez há algum tempo no meu blog.Dei um tempo nas postagens, mas voltei com gás, preciso manter contato com blogueiros e leitores.Sucesso!! http://digho.blogspot.com

    ResponderExcluir
  10. Poucas pessoas se interessam por conteúdo sério, documentários, palestras, debates, não vejo pessoas com vontade de aprender e se conscientizar.

    http://pitadadecinema.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir